História de nossa Paróquia-Santuário

Início/O Santuário/História de nossa Paróquia-Santuário
História de nossa Paróquia-Santuário 2017-06-06T18:21:32+00:00

Antecedentes

Pelos anos trinta, toda a nossa região era ainda território pertencente à Paróquia de São Francisco das Chagas, confiada aos Freis Franciscanos, no Carlos Prates. Desde a posse do Frei Zacarias van der Hoeven, OFM, não se descuidou do núcleo populacional, que estava surgindo, chamado “Vila Celeste Império”. Em 1933 houve uma pequena Missão na Vila, pregada pelo Frei Mário Cornelissen. Ele foi o apóstolo da Vila. Em 1934 ficou pronta a capela-mor da igreja já existente, que recebeu o seu acabamento em 1935. De 1936 em diante as missas já foram sempre semanais.

Vários freis franciscanos se dedicaram à Vila Celeste Império e durante o ano de 1940 Frei Anselmo foi encarregado pelo Arcebispo, de preparar o desmembramento da Paróquia de S.Francisco das Chagas. Com mais ou menos 2.000 habitantes, o futuro se projetava aí: a construção do Aeroporto, a canalização da Avenida Pedro II, a construção do Carmelo, o Balneário da Ressaca, o calçamento da Rua Contagem, tudo influiu para o progresso. No dia 01 de janeiro de 1941 foi criada a Paróquia de Cristo Rei, por Decreto do Arcebispo, Dom Antonio dos Santos Cabral, ficando a Rua Manhumirim como divisa das duas Paróquias. Aos 18 de novembro de 1941 ela foi confiada aos Padres Dominicanos, sendo seu primeiro Vigário o Frei Boaventura Chasserieu, O.P., que tomou posse no dia 23 de novembro de 1941. E no mesmo dia 18, por Decreto Episcopal, foi designado como titular São Domingos. Estes dados encontram-se no “Livro de Tombo da Paróquia Cristo Rei da Vila Celeste Império – 1941”. Um outro livro de Tombo, cujo Termo de Abertura foi assinado pelo secretário do Arcebispado, Pe. Armando De Marco, aos 27 de maio de 1943, é da Igreja Matriz de São Domingos. E começa já com a nomeação do Pe. Eustáquio van Lieshout ss.cc..

Paróquia dos Sagrados Corações

Com a rápida desistência por parte dos Dominicanos, o Arcebispo entrou em contato com o Superior da Congregação dos Sagrados Corações, Pe. Gil van den Boogaart ss.cc., oferecendo-lhe a nova Paróquia. “Nas negociações o Pe. Gil respondeu que somente o Pe. Eustáquio poderia ser proposto para aquele tarefa. Discutiram-se as possibilidades e as dificuldades. Foram feitos alguns acordos claros e ambos então ousaram dar a nomeação”. E no dia 02 de abril de 1942, por provisão canônica de Dom Antonio dos Santos Cabral, foi nomeado vigário da Paróquia de São Domingos, o Revmo Pe. Eustáquio van Lieshout ss.cc., passando a Paróquia com isto aos cuidados da mesma Congregação pelo tempo de 99 anos. Foi também nomeado vigário cooperador, o Pe. Hermenegildo Verhoeven ss.cc.

Padre Eustáquio

Pe. Eustáquio chegou a Belo Horizonte no dia 07 de abril de 1942, vindo de Ibiá-MG. Os dois foram morar, nas primeiras semanas, junto aos Franciscanos do Carlos Prates. Não demorou muito e eles alugaram uma casa, na Rua Contagem, (hoje Rua Padre Eustáquio) nº. 2818.  A posse foi aos 08 de abril, na presença do Pe. Gil ss.cc., do Frei Boaventura O.P.e do Frei Zacarias OFM.

Mas a fama de taumaturgo do Pe. Eustáquio já o precedera, e por isso o povo começou logo a afluir em massa à pequena capela de Cristo Rei. Ele, porém, tinha recebido ordens severas de não atender, em casa, as pessoas que o procurassem; de não visitar doentes em suas residências, a não ser os da sua própria paróquia; de não dar bênção a quem quer que fosse senão através da grade do confessionário. Mesmo assim começaram a afluir multidões. Então seu jovem coadjutor lançou um sistema de senhas numeradas. Para cada dia apenas cinqüenta. Mais tarde o Arcebispo permitiu-lhe também dar conferências e pregar retiros e novenas em todo o Arcebispado.

No dia 10 de dezembro de 1942, os padres se mudaram para uma casa recém adquirida, na Rua Contagem, número 2.289, ao lado do terreno destinado à construção da Matriz definitiva. Este terreno, então usado pelo time “Tremedal Futebol Clube” foi doado pela Prefeitura à Congregação dos SS. Corações, na gestão do Prefeito Juscelino Kubitschek de Oliveira. No dia 9 de setembro de 1942, o Conselho Municipal autorizou a doação.

No dia 11 de outubro foi celebrada uma Missa campal no terreno da futura matriz. E nos dias seguintes foram feitos planos para adquirir uma casa pertencente ao Instituto dos Industriários, para ser adaptada como Igreja Matriz provisória, enquanto se construía a definitiva. A Capela de S. Domingos era pequena e longe. Foi por isso que Pe. Eustáquio transferiu a sede para este imóvel. De acordo com o Livro de Tombo, no princípio do mês de abril de 1943, fizeram-se preparativos para transferir a capela do Celeste Império para a Rua Contagem 2.266 (ou 2.166), antiga fazenda do Dr. Álvaro Camargos, cedida pelo Instituto dos Comerciários. Derrubaram-se as paredes por dentro e assim abriu-se espaço para uma verdadeira capela, que no dia 11 já estava pronta para receber a bênção do Pe. Eustáquio.

Túmulo do Padre Eustáquio no cemitério do Bonfim

Aos 16 de maio de 1943, foi lançada a primeira pedra da Igreja Matriz dos Sagrados Corações, no terreno doado pela Prefeitura. O Arcebispo, ao benzer esta pedra fundamental, prometeu mudar o nome do Padroeiro S. Domingos para Sagrados Corações.

Aos 17 de julho começa uma grande campanha pró-construção da Matriz. E no dia 06 de agosto foi exposta uma maquete da futura igreja na Companhia de Força e Luz.

Infelizmente a partir do dia 23 de agosto Pe. Eustáquio fica muito doente, vindo a falecer no dia 30 de agosto de 1943. E no dia 31 foi sepultado, levado por uma grande multidão até ao Cemitério do Bonfim.

Depois do Padre Eustáquio

No dia 07 de setembro Pe. Geraldo Thiesen vem para substituir o Vigário falecido até a chegada do novo vigário, Pe. Domingos Vermeulen ss.cc., que se deu aos 28 de setembro de 1943. Ele toma posse no dia 03 de outubro. No dia 06 realiza-se uma reunião da Comissão de Engenheiros, composta dos seguintes nomes: Dr. Vicente Assunção, Dr. Horácio Bueno de Azevedo, Dr. Lauro Rodrigues Valle, Dr. Silvério Monteiro de Castro, Dr. Virgílino Rosa e Dr. Amintas de Barros. A reunião foi no Orfanato Santo Antônio. Foi decidido aprontar primeiro uma nave lateral da igreja.

No dia 28 de dezembro de 1943 o Governador do Estado, Dr. Benedito Valadares decretou a mudança do nome da Rua Contagem para Rua Padre Eustáquio.

Aos 18 de maio de 1944 foi fundada a União Operária Pe. Eustáquio ( U.O.P.E. – Hoje ASPE =Ação Social Padre Eustáquio).

A mudança para a nova Matriz foi no dia 04 de junho de 1944, com bênção parcial e Missa celebrada pelo Sr. Arcebispo. Foi inaugurada apenas a ala esquerda. No dia 21 de julho foi assinado o decreto que mudava o nome da Paróquia, para ter os Sagrados Corações de Jesus e de Maria como padroeiros.

No mês de novembro de 1944 foi lançado o “Boletim da Matriz dos SS.Corações, periódico mensal, tendo o Pe. Guido Logger ss.cc. como redator-chefe. O primeiro número é datado de 12 de novembro de 1944. A tiragem foi de 500 exemplares.

Aos 18 de março de 1945 realizou-se a inauguração solene da outra ala lateral da igreja, por D.Antonio dos Santos Cabral, que iria
servir de salão de reuniões da U.O.P.E., e onde se instalaram também, mas provisoriamente, as dependências da U.O.P.E.

A grande preocupação com a educação fez com que aos 16.04.1945 a Paróquia desse início às “Escolas Reunidas Padre Eustáquio”, germe do futuro Grupo Escolar Padre Eustáquio.

Em 29 de Julho de 1945 a Sra. Odete Valadares, esposa do Governador, lançou a primeira pedra do Lactário, doação da L.B.A. à U.O.P.E.
Um Cine Paroquial foi inaugurado aos 21 de setembro de 1945. Aos 24.12.1945 saiu “O Pioneiro”, Almanaque do Pe. Eustáquio para o ano de 1946.

Párocos seguintes até o presente

Novo Vigário: aos 20 de abril de 1947 tomou posse como novo vigário da Paróquia, o Pe. Venâncio Hulselmans ss.cc. – O Natal de 1947 já foi celebrado na nave principal da Matriz em construção, assim como também a Missa do Ano Novo de 01 de janeiro de 1948. Aos 16.08.1948 o Sr. José Geraldo de Oliveira apresenta à câmara Municipal o seguinte Projeto: “passa a denominar-se “Bairro Padre Eustáquio” a até agora denominada “Vila Progresso”. E isto tornou-se realidade em abril de 1949. E o Arcebispo autorizou a trasladação dos restos mortais do Pe. Eustáquio para a igreja. Indicou pessoalmente o lugar onde devia ficar.

Dia 07 de setembro de 1948: foi entregue aos Padres dos SS.CC. o quarto onde o Pe. Eustáquio morreu, no “Sanatório Minas Gerais”. Doação esta ratificada pelo Instituto dos Bancários que comprou o Sanatório.

Aos 31.01.1949 deu-se a trasladação dos restos mortais do P.E. do Cemitério do Bonfim para a igreja recém-construida.

Em 1950, no dia 1º de fevereiro, foi inaugurado festivamente o Grupo Escolar Padre Eustáquio, mais uma vitória retumbante da tenacidade dos Sr. Vigário da Paróquia. E aos 17 de janeiro do ano seguinte foi inaugurado o prédio construído na Rua Riachuelo, entre Cesário Alvim e Curral del Rei, com 72 metros de comprimento.

Em Maio de 1956 é nomeado um vice-postulador da Causa de Beatificação do P.E., na pessoa do Pe. Alfredo Elfrink.

Aos 20 de abril de 1958 tomou posse como Vigário, em substituição ao Pe. Venâncio, novamente o Pe. Domingos Vermeulen ss.cc. Permanece à frente da Paróquia até dezembro de 1969.

A 01 de fevereiro de 1970 foi a vez do Pe. Vicente da Rocha Diniz ss.cc., assumir os destinos da Paróquia, tendo antes sido o primeiro Pároco da Santa Margarida Maria Alacoque, no Jardim Montanhês. Ao ser nomeado para reiniciar a Formação dos religiosos SS.CC., em Campinas, foi substituído pelo Pe. Teodulo Tabak ss.cc., de dezembro de 1979 a outubro de 1983. A partir de outubro de 1983 até dezembro de 1988, a direção da Paróquia esteve a cargo do Pe. Salésio Dijkstra ss.cc.. De janeiro de 1989 até janeiro de 1995 o Pe. Jair Machado ss.cc. foi o Pároco. A partir de 1995 assumiu a Paróquia o Pe. Lorenzo Arbeloa Arbeloa ss.cc., até 01 de março de 2002, quando tomou posse o novo Pároco, Pe. Antonio Lemos da Costa. Em fevereiro de 2005 assumiu a função de Pároco, o Pe. Eribaldo Pereira dos Santos, até sua eleição para Superior Provincial dos Sagrados Corações no Brasil, em fevereiro de 2006. Em seu lugar assumiu como Administrador Paroquial o Pe. Lúcio Dumont Prado, que que é também o Vice-Postulador da Causa de Canonização do Beato Pe.Eustáquio. Em abril de 2008 recebe nomeação de Pároco da Paróquia dos Sagrados Corações.

Em 2013, Pe. Sérgio Stein é nomeado Pároco e em 30 de Agosto de 2014 recebe a nomeação de Reitor do Santuário da Saúde e da Paz.

No ano de 2015, juntamente com o Pe. Sérgio Stein, Pe. Marcus Vinicius Maciel, assume a função de Pároco Solidário e Pró Reitor do Santuário da Saúde e da Paz.

Eventos relacionados com a Paróquia

No ano de 1956 o Centro Nacional da Entronização passou do Rio de Janeiro para Belo Horizonte, e com isso os missionários da Obra da Entronização também passaram a fazer parte da comunidade religiosa. Em 1962 a sede Provincial da Congregação dos Sagrados Corações foi transferida do Rio de Janeiro para Belo Horizonte, de modo que a Casa Paroquial, construída atrás da igreja, passou a ser também a Casa Provincial, a Cúria Provincial e também o Centro Nacional da Entronização. Assim sendo, além de muitos padres SS.CC. terem passado por aqui, como coadjutores da Paróquia, pôde-se também ao longo do tempo contar com a presença dos superiores provinciais, seus auxiliares e os missionários da Entronização.

Uma vez terminada a Igreja Matriz, aos poucos foram acrescentados outros anexos, como a Casa Paroquial, o Cinema , a Gráfica da Promoção da Família, a ASPE.

Hoje ao redor da igreja temos de um lado o Centro Comunitário Paroquial e do outro o Memorial do Padre Eustáquio, onde repousam seus restos mortais desde agosto de 2007.

No interior da igreja temos a bela Capela do Santíssimo, um pequeno Museu do Pe. Eustáquio, Secretaria Paroquial e Secretaria da Causa de Canonização do Beato. Há ainda locais cedidos para o trabalho das Damas de Caridade e de Alcoólicos Anônimos..

Aos 30.01.2006 chegou de Roma a notícia sobre o dia e local da Beatificação do Padre Eustáquio, a saber, 15 de junho de 2006, Festa de Corpus Christi, em Belo Horizonte. E a Beatificação realizou-se de fato neste dia, no Estádio “Governador Magalhães Pinto” (Mineirão), em conjunto com a Festa da 12ª.Torcida de Deus. Como Delegado de sua Santidade o Papa Bento XVI veio o Prefeito da Sagrada Congregação dos Santos, Cardeal Saraiva Martins.

Durante a Novena em preparação da primeira Festa do Beato Padre Eustáquio, do ano de 2007, exatamente no dia 28 de agosto, foi inaugurado o Memorial construído em sua honra, ao lado da igreja. Constou da inauguração: a Bênção do Memorial e a Trasladação de seus restos mortais, da igreja para aquele monumento, fruto do carinho de seus devotos, que continuam implorar ali sua intercessão ou agradecer as graças alcançadas.

Baseado no texto original do: Pe. Vicente da Rocha Diniz, ss.cc.- In memoriam